6 de jul de 2011

Tem uma mosca na minha sopa!

Depois que aprendi a entender as pessoas observando seus atos e decisões através de sua ótica e não da minha (obrigada Aurélia!) minha vida se tornou mais leve, porém,me tornei mais crítica (se é que isso é possível).

Acho que não tem coisa que me deixe mais possessa que ser avaliada por estatísticas, ainda mais quando elas definitivamente não se aplicam a mim.

Não tem cabimento para mim uma pessoa que possui o histórico de 5 anos de uma situação insistir em enquadrar aquilo numa estatística que mais que um profissional já disse que não se aplica.

Tem gente que é mosca. Pois é. Tem uma na minha sopa.

É inconcebível para mim uma pessoa com histórico de 5 anos e relatório de outro profissional com histórico de quase 2 anos da mesma situação se basear na opinião de alguém sem noção ou postura profissional alguma que teve contato de só 1 hora com essa situação para se jogar de cabeça no meu prato de sopa.

Não pedi opinião. Simplesmente solicitei um relatório da situação atual para os profissionais que acompanham o caso. A minha decisão já está tomada. Não estou pensando que uma sopinha quente seria interessante. Já sei que é. Já optei pelo sabor. Já pedi a sopa. Estou somente cumprindo regras de etiqueta, aguardando todos sentarem a mesa para saboreá-la, aí vem a p... da mosca e cai se joga na minha sopa!

Como não sou uma pessoa nojenta, simplesmente me sirvo novamente em novo prato e continuo minha refeição. P... da vida com a p... da mosca, mas satisfeita com o conforto que a sopa quente me trará.